Poemas no e-mail

28 de janeiro de 2011

Barbies não são bem-vindas

As bêbadas
com cuidado, deito-as no catre
Lhes tiro os sapatos...
as ébrias em tristes retratos me elevam

As guerrilheiras eu amo
Inevitável!
quando vencem meus desafetos
Devoro o código Morse
Sugando o seio secreto

As velhas bruxas me alucinam
Bailo encantado nos ungüentos
Ergo estandartes em meu delírio
Sangro martírios no santo Sudário

Deixando marcas

Em meus diários, milhares de pistas

Já as bailarinas... eu as detesto
Barbies não são bem-vindas
Em meu castelo

Princesas são prisioneiras dos paraísos

Prefiro Eva
Pecadora
Profanada
Madalena
Perseguida
Peregrina
Erguida de minha Costela

As ciganas
As guitarras
O cigarro
O cemitério

Voem borboletas... Deixem os casulos!

Acasala o cavalo com a égua

Como sempre!
Está escrito!
São as regras!

As putas em pústulas
O peito murcho das velhas
E as assassinas em festa

As que toco aqui nesta terra
Com meus dedos
Que se enterram nos segredos
e mistérios

Em cabelos ancianos
Em seus pelos
Pubianos

Puros e breves
Distante demais dos santos

Me aproximando dos vermes