Poemas no e-mail

3 de março de 2011

Reine em mim Realidade!


Reine em mim Realidade!
Domine-me Hercúlea!
Copule-me!

E quando me espreme,
Exalo um poema.
É apenas minh’alma
Que se exprime...
Num vácuo de voz aflita
Um leve suspiro escrito

Respiro-te realidade...
Persegue-me o perfume da prova
dos fatos

Oh Realidade!
Sei que me comprimes, me entortas,
Sei que me exiges!
Forja-me à força!
Meu suor se derrama...
Epiderme em chama

Oh realidade!
Se me espremes... com seu afeto
de meu creme recolhe um poema!
De seu crime, expilo meu feto...
Exprimo-me por seu decreto!

Oh realidade, da substancia que sou feito:
madeira, pedras, ervas, fogueiras...
A eterna matéria prima
que martelas

Se me atropelas... minha carne se entrega...
passeando na relva... a alma observa, indefesa se eleva
e me agride sem trégua a turbina de sua nave
Martela meu prego...

Oh! Realidade!

Rendo-me aos fatos, e sei que estou cego
e homem, com tempo, me torno
e com o passar dos séculos, retorno!